Novos Biopesticidas

Equipa

Membro
Posição
Diretora de Departamento (PhD)
Investigador (PhD)
Investigadora (MSc)
Investigadora (MSc)
Investigador (MSc)
Investigador (MSc)/ Técnico de Laboratório
Investigadora (MSc)
Investigador (PhD)

No departamento de Novos Biopesticidas dedicamo-nos fundamentalmente ao desenvolvimento de moléculas biológicas e à utilização de micro-organismos benéficos com atividade que permita controlar as pragas e doenças que atacam culturas mediterrânicas.

As soluções existentes no mercado e que poderiam, eventualmente, ser utilizadas para combater pragas e doenças estão a ser descontinuadas. Devido aos seus níveis de toxicidade ou ao seu espectro de atuação muito amplo, podendo afetar insetos e outros organismos benéficos para o meio ambiente ou até mesmo para o ser humano, a legislação está a retirar do mercado as formulações capazes de controlar alguns desses fatores bióticos que destroem as culturas. Acresce que surgiram novas pragas e doenças para as quais não existe ainda nenhuma planta resistente e nenhum pesticida que consiga controlá-las. A retirada de princípios ativos ocorre com mais incidência na Europa, mas começa também a acontecer nos Estados Unidos da América e noutros países.

Tendo em conta esta realidade, temos como objetivo desenvolver novas soluções de base biológica, que genericamente se designam biopesticidas. São soluções químico-biológicas, na medida em que são constituídos, sobretudo, por ácidos nucleicos (pequenos RNA de interferência) e por pequenas proteínas que têm a capacidade de inibir a interação entre os organismos patogénicos e as plantas que queremos proteger. Este tipo de moléculas não são tóxicas para o homem nem para outros animais; são específicas e com menos impacto no ambiente do que os agroquímicos de síntese atualmente existentes.